Você sabia que..


...

Notícias Voltar


Projeto que autoriza uso de repasses federais da saúde para retomada das aulas será analisado na Câmara

02 de setembro de 2020

Jefferson Rudy Ag. SenadoAprovado nesta terça-feira, 1º de setembro, no Senado Federal, o Projeto de Lei (PL) 3.892/2020 flexibiliza o uso de recursos de repasses federais para ações de apoio ao retorno das aulas presenciais, que estão suspensas em razão da pandemia da Covid-19. De acordo com o texto, de autoria da senadora Kátia Abreu (PP-TO), Municípios, Estados e o Distrito Federal poderão utilizar os valores para adequar a infraestrutura sanitária das escolas, distribuir equipamentos de proteção individual e material de higiene, treinar profissionais, contratar mão-de-obra extraordinária e realizar prevenção de contágio do novo coronavírus.

A flexibilização vale para as fontes de recursos previstas na Portaria 394/2020, da Secretaria do Tesouro Nacional, enquanto durar o estado de calamidade pública estabelecido no Decreto Legislativo 6/2020:
I - Transferências fundo a fundo de recursos do SUS provenientes do governo federal - Bloco de Custeio das Ações e Serviços Públicos de Saúde;
II - Transferências fundo a fundo de recursos do SUS provenientes do governo federal - Bloco de Custeio das Ações e Serviços Públicos de Saúde – Recursos destinados ao enfrentamento da Covid-19 no bojo da ação 21C0;
III - Transferências fundo a fundo de recursos do SUS provenientes do governo federal - Bloco de Investimento na Rede de Serviços Públicos de Saúde;
IV - Transferências fundo a fundo de recursos do SUS provenientes do governo federal - Bloco de Investimento na Rede de Serviços Públicos de Saúde – Recursos destinados ao enfrentamento da Covid-19 no bojo da ação 21C0;
V - Transferências de convênios ou de contratos de repasse vinculados à saúde, e
VI - Transferências da União previstas no inciso I do art. 5º da Lei Complementar 173/2020.

Jefferson Rudy Ag SenadoA Confederação Nacional de Municípios (CNM) esclarece que não se trata de recurso novo, mas de reconhecer a possibilidade do uso de recursos para Ações de Saúde no âmbito da atuação interdisciplinar necessária frente às demandas sanitárias decorrentes de eventual retomada das atividades escolares. Destaca-se ainda que os Municípios têm autonomia para definir o calendário escolar e os processos de retomada das aulas presenciais.
Em diversas ocasiões, em reuniões e por meio de ofícios, a entidade chamou atenção do governo federal e dos parlamentares para a necessidade de aporte financeiro da União aos Entes locais. Isso porque o retorno das aulas vai exigir uma série de medidas que representam impacto financeiro significativo para garantir a segurança sanitária e a saúde de estudantes e profissionais.

Durante a votação, os parlamentares reconheceram as dificuldades encontradas pelos governos estaduais e municipais na implementação de novo calendário. O relator, senador Fabiano Contarato (Rede-ES), acatou 23 das 28 emendas de plenário e seu substitutivo foi aprovado por 74 votos favoráveis e nenhum contrário. O texto, que segue para análise na Câmara dos Deputados, determina que a retomada das aulas presenciais deverá observar: a orientação científica, a curva de contágio, o número de óbitos, a deliberação da respectiva comunidade escolar e apresentação, pela família, de relatório sobre a situação da saúde dos membros que residem com o estudante.

Da Agência CNM de Notícias

Fotos: Jefferson Rudy/Ag. Senado